Inúmeras mulheres levaram as letras em seu sangue
e também o derramaram por elas.

Apresento uma poesia da escritora, tradutora e acadêmica mexicana Coral Bracho.

Uma vespa sobre a água

Coral Bracho
Tradução: Débora Zacharias

A superfície da água é tensa
para uma vespa,
é um caminho múltiplo fluindo sempre
com o tato do tempo
sobre a profundidade quieta
de um curto espaço.

Curto é o tempo
em que flutua; curta
a distância em que gira
por incessantes labirintos,
redemoinhos incertos, chama
e transparência
inextricável.

Fonte: Una avispa sobre el agua